Países sul-americanos visitam Brasil para saber mais sobre compras públicas de alimentos

Graças às compras públicas de alimentos, uma cooperativa de Luziânia (GO) que começou com cerca de 30 pequenos agricultores familiares, atualmente reúne mais de 400 famílias que produzem hortaliças, frutas, legumes, além de leite e derivados.
Uma visita à organização, chamada COOP-Indaiá, fará parte do roteiro de representantes dos governos de Paraguai, Peru, Colômbia e Chile que estão no Brasil para saber mais sobre experiências do governo federal em compras públicas de alimentos.
O encontro, promovido pela Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) em parceria com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), começa nesta terça-feira (21) e vai até sexta-feira (24), em Brasília.
Serão apresentados às delegações sul-americanas os mecanismos, ferramentas e instrumentos de política para a gestão de sistemas de compras públicas, executados por diversos órgãos envolvidos na administração pública federal.
Além da CONAB, participarão das palestras e seminários os ministérios do Desenvolvimento Social (MDS), do Planejamento (MP), das Cidades, da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), da Secretaria Especial da Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário (SEAD) e do Fundo Nacional de Desenvolvimento e Educação (FNDE).
As delegações sul-americanas conhecerão, ainda, uma entidade de assistência social beneficiada pelas doações de produtos da agricultura familiar comprados por meio do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), uma das ferramentas de compras públicas executadas pela CONAB.
A iniciativa integra as ações da “Rede de Sistemas Públicos de Abastecimento e Comercialização de Alimentos da América Latina e do Caribe – SPAA”, voltada à promoção do diálogo e do intercâmbio de experiências entre instituições públicas de abastecimento e comercialização dos países da América Latina e Caribe.
A Rede foi criada em 2015 com o objetivo de fortalecer as capacidades dos integrantes, facilitar o estabelecimento de acordos e desenvolver estratégias conjuntas de integração regional e projetos de cooperação técnica.