SP recebe quatro estudos da inciativa privada para novo endereço do Ceagesp

O governo do estado de São Paulo recebeu nesta semana estudos da inciativa privada que sugerem quatro locais para onde a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) poderá ser transferida.

Os estudos foram apresentados por três consórcios e uma empresa, com o objetivo de subsidiar a elaboração do edital de concessão para implantação, operação e manutenção do Novo Centro de Abastecimento Alimentar em São Paulo, o Novo Ceasa, como passará a ser chamado.

Nos estudos foram apresentados dados sobre a viabilidade de cada localização, principalmente em relação à melhoria do tráfego na capital paulista. O estado estipulou como pré-requisito que os locais sugeridos fossem conectados ao Rodoanel Mário Covas por acessos já existentes ou previstos.

Segundo o governo do estado, o Poder Público não é obrigado a adotar as soluções propostas, inclusive quanto à nova localização do entreposto. Nesta fase do processo, os estudos não têm custo para o governo, mas os autores das ideias que efetivamente serão utilizadas na elaboração do edital serão ressarcidos pelo futuro concessionário no limite de até R$ 2,5 milhões.

“A compreensão de que o Ceasa da Lapa está inadequado para aquele lugar é quase unânime. Temos 50 mil pessoas que frequentam o posto todos os dias. São de 12 mil a 15 mil veículos, o que gera um gargalo de mobilidade muito grande, além da degradação da paisagem urbana e outras questões, como a sanitária”, disse o secretário adjunto de Agricultura e Abastecimento do governo de São Paulo, Rubens Rizek.

A competência pela gestão da logística de abastecimento e distribuição de alimentos é das três esferas do Poder Público. O projeto Novo Ceasa está sendo desenvolvido em parceria entre a União, o estado e o município de São Paulo. No entanto, dada a característica metropolitana do abastecimento, coube ao estado a realização dos estudos e preparação da licitação.

O governo estadual tem agora 60 dias para definir o melhor modelo e mais 60 dias para fazer a preparação de todos os documentos, as aprovações competentes e a publicação do edital de licitação.

 

fonte: EBC